Os desafios das TIC para a formação inicial de professores: uma análise da agenda internacional e suas influências nas políticas portuguesas

Rosana Martinez, Carlinda Leite, Angélica Monteiro

Resumo


Reconhecendo a importância que as tecnologias têm em todos os domínios da sociedade em geral e da aprendizagem em particular, este artigo responde às seguintes perguntas: Que lugar têm as tecnologias de informação e comunicação (TIC) na agenda educativa internacional? Que lugar têm as TIC nas políticas de formação inicial de professores (FIP) do ensino básico em Portugal? Tendo por referência a perspetiva de Dale (2004), que afirma que as políticas locais representam versões adaptadas de outras de nível mundial e de que este processo ocorre na conjunção de influências e interdependências das múltiplas conexões entre o global, o distante e o local (BALL, 2001), foram analisados documentos que orientam as políticas da educação internacionais e nacionais, em relação às TIC e à sua presença na formação inicial de professores (FIP). A análise do conteúdo desses documentos permitiu concluir que existem tensões entre a importância que é dada às TIC nas políticas internacionais e o lugar que elas têm nas políticas de educação portuguesas de FIP.


Palavras-chave


TIC. Políticas educacionais. Formação inicial de professores.

Texto completo:

PDF

Referências


AFONSO, A. J. Estado, globalização e políticas educacionais: elementos para uma agenda de investigação. Revista Brasileira de Educação, v. 22, p. 35-46, 2003.

AMADO, J. Manual de Investigação Qualitativa em Educação. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2013.

BALL, S. Big Policies/Small World: An introduction perspectives in education policy. Comparative Education, v. 34, n. 2, p. 119-130, 1998.

______. Diretrizes políticas globais e relações políticas locais em educação. Currículo sem fronteiras, v. 1, n. 2, p. 99-116, 2001.

BOWE, R.; BALL, S.; GOLD, A. Reforming education and changing schools: case studies in policy sociology. London: Routledge, 1992.

CASTELLS, M. La era de la información. Economía, sociedad y cultura. El poder de la identidad. Buenos Aires: Siglo XXI, 1999.

COM. Una Agenda Digital para Europa. Bruselas: UE 2010.

CONSELHO DE MINISTROS, P. D. Resolução do Conselho de Ministros 17/2010. MINISTROS, P. D. C. D. Portugal: Diário da República: 619 p. 2010.

DALE, R. Globalização e Educação: Demostrando a existencia de uma "cultura educacional comum" ou localizando uma "agenda globalmente estruturada para a educação"? Porto: Edições Afrontamento, 1994.

______. Globalização e Educação: Demostrando a existencia de uma cultura educacional mundial comum ou localizando uma agenda globalmente estruturada para a educação? Educaçã & Sociedade, v. 25, n. 87, p. 423-460, 2004.

______. A Sociologia da Educação e o Estado após a Globalização. Educação & Sociedade, v. 31, n. 113, p. 1099-1120, Out-dez. 2010 2010.

______. The social condition of higher education: globalisation and (beyond) regionalisation in Latin America. Globalisation, Societies and Education, v. 10, n. 2, p. 221-245, 2012.

DAY, C. Desenvolvimento profissional de professores: os desafios da aprendizagem permanente. Porto: Porto Editora, 2001.

DENZIN, N.; LINCOLN, Y. Introduction. The Discipline and Practice of Qualitative Research. In: DENZIN, N. e LINCOLN, Y. (Ed.). The Sage Handbook of Qualitative Research. L. Ángeles: Sage Publication Ltda., 2003.

DUSSEL, I. ¿Es el curriculum escolar relevante en la cultura digital? Debates y desafíos sobre la autoridad cultural contemporánea. Archivos Analítivos de Políticas Educativas, v. 22, n. 24, p. 1-21, 2014.

EZPONDA, J. E. La agenda Educativa Europea y las TIC: 2000-2010. Revista Española de Educación Comparada, v. 16, p. 75-104, 2010.

FULLAN, M. Professional culture and educational change. School Psychology review, v. 25, n. 4, p. 496-501, 1996.

______. Los nuevos desafíos de cambio educativo. Barcelona: Octaedro, 2002.

FULLAN, M.; WATSON, N.; ANDERSON, S. Ceibal: Los próximos pasos. Informe final. Fullan Enterprises. Toronto. 2013

GATTI, E. La Formación Docente como eje ideológico. Revista Docencia, v. 36, p. 69-76, 2008.

GCNELPT. Um país mais preparado para enfrentar a cojuntura económica mundial. Presidência do Conselho de Ministros. Portugal, p.7. 2008

GIDDENS, A. En defensa de la sociología. Madrid: Alianza Editorial, 2000.

GOULÃO, F. Ensinar e aprender em ambientes online: Alterações e continuidades na(s) prática(s) docente(s). In: MOREIRA, J. A. e MONTEIRO, A. (Ed.). Ensinar e Aprender Online com Tecnologias Digitais. Porto: Porto Editora, 2012. p.15-30.

LEITE, C. Entre velhos desafios e novos compromissos: Que currículo para a formação de professores? In: SILVA, A.;MACHADO, L., et al (Ed.). Novas subjetividades, currículo, docência e questões pedagógicas na perspectiva da inclusão social. Recife: Edições Bagaço, 2006. p.277-298.

LEITE, C.; FERNANDES, P. A formação inicial de professores em Portugal – Para uma reflexão sobre o modelo decorrente do Processo de Bolonha. In: LOPES, A. (Ed.). Formação inicial de professores e de enfermeiros: Identidades e ambientes. Porto: Mais Leituras, 2013.

LITWIN, E. La tecnología educativa en el debate didáctico contemporáneo. In: LITWIN, E. (Ed.). Tecnologías educativas en tiempos de internet. Buenos Aires: Amorrortu Editores, 2009.

LOPES, A. Introdução. In: LOPES, A. (Ed.). Formação inicial de professores e de enfermeiros: Identidades e ambientes. Porto: Mais Leituras, 2013.

MARCELO, C. La profesión docente en momentos de cambio. Qué nos dicen los estudios internacionales? CEE Participación Educativa, v. 16, p. 49-68, 2011.

MEIRINHOS, M.; OSÓRIO, A. J. A Colaboração em Ambientes Virtuais: aprender e formar no século XXI. Braga Associação Arca Comum, 2014.

MONTEIRO, A.; LEITE, C.; LIMA, L. Ensinar e aprender com tecnologias digitais no Ensino Superior. In: MOREIRA, J. A. e MONTEIRO, A. (Ed.). Ensinar e Aprender Online com Tecnologias Digitais. Porto: Porto Editora, 2012. p.31-44.

MORAIS, A.; NEVES, I. Os professores como criadores de contextos sociais para a aprendizagem científica: discussão de novas abordagens na formação de professores. Revista Portuguesa de Educação, v. 18, n. 2, p. 153-183, 2005.

NEVES, C. Las organizaciones internacionales y la evaluación de los sistemas de educación y formación: Análisis crítico y comparativo. Revista Europea de Formación Profesional. v. 4, p. 78-98, 2008.

NÓVOA, A. Formação de professores e profissão docente. In: NÓVOA, A. (Ed.). Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 2009a.

______. Para uma formação de professors construída dentro da profissão. Revista Educación, v. 350, p. 203-218, 2009b.

ONU. Objetivos de Desarrollo del Milenio: Informe 2013. Neva York: Naciones Unidas, 2013.

PERRENOUD, P. La formación de los docentes en el siglo XXI. Revista de Tecnología Educativa, v. 14, n. 3, p. 503-523, 2001a.

______. A prática reflexiva no oficio de professor: profissionalização e razão pedagógica. Porto Alegre: Artmed, 2001b.

______. Diez nuevas competencias para enseñar. Querétaro: Quebecor World, 2004.

POGRÉ, P. Formar docentes hoy: Qué deben comprender los futuros docentes? Perspectiva Educacional, v. 51, n. 1, p. 45-56, 20011.

PONTE, J. P. D. O estudo de caso na investigação em educação matemática. Quadrante, v. 3, n. 1, p. 3-18, 2006.

RABOLINO CAMPOS, M. Políticas públicas integrales para el desarrollo de la profesion docente: Un tema pendiente en América Latina. In: PIZZI, L. (Ed.). Trabalho docente: tensões e perspectivas. Maceió: Edufal, 2012.

STAKE, R. A arte da investigação com estudos de caso. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2009.

TARABINI, A.; BONAL, X. Globalización y política educativa: los mecanismos como método de estudio. Revista de Educación, v. 355, p. 235-255, 2011.

TAYLOR, S.; BOGDAN, R. Introducción a los métodos cualitativos de investigación. Buenos Aires: Paidós, 1987.

TERIGI, F. Desarrollo profesional continuo y carrera docente en América Latina. Chile: Preal, 2010.

UNESCO. Padrões de Competências em TIC para Professores: Marco Político. Paris: UNESCO, 2008.

UNESCO; IITE. Guidelines on adaptation of the UNESCO ICT Competency Framework for Teachers. Rusia: UNESCO IITE, 2013.

YIN, R. Investigación sobre Estudio de Casos. Diseño y Métodos. Thousands Oaks: Sage Publications, 1994.




DOI: http://dx.doi.org/10.22476/revcted.v1i1.22

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

ISSN: 2447-4223


LATINDEX

   

   Resultado de imagem para google acadêmico